Fãs criam documentário onde contam como Karol Conka os ajudou com suas músicas

Fãs da Karol conka lançam documentário sobre como é ser da periferia e ainda assim ser resistente graças a força passada em suas musicas

Karol Conka possui letras verdadeiramente inspiradoras, desde seu primeiro trabalho promocional, o EP Karol Conka, até seu mais recente lançamento, podemos encontrar letras que possuem algum conteúdo motivacional, de aprendizagem ou de identificação pessoal.

Dessa forma, a Mamacita conquistou e ainda conquista uma legião de fãs ao redor do país, pessoas que se sentem representadas de alguma forma, ou que simplesmente gostam da mensagem passada através de sua arte.

Inspirados pela rapper, alguns fãs do Rio de Janeiro, que estão sempre presentes nos shows e eventos onde Karol esta, se uniram para contar um pouco da história deles, de como a música os ajudaram.

O documentário “Periferycas” será uma sequência de vídeos, e em seu primeiro episódio contará as dificuldades que os fãs enfrentaram para conseguirem estar presente em um dos shows realizados no Rio.

Joao Lopes (@orealdjuan) conta que ouve os raps da Karol desde 2011, mas só após completar seus 18 anos, conseguiu passar a frequentar os shows e ter mais contato com a galera da cena artística underground carioca, porque se sentia coagido em ir a eventos de shows de rap, já que sempre foram ambientes muito machistas.

Com o passar dos anos, os shows de rap têm se tornado lugares onde as pessoas lutam mais por igualdade, atualmente, ainda que pouco, já conseguimos ver mais diversidade no meio, como, uma presença maior público LGBTQ+, mulheres mandando seus recados e muitos outros públicos que se sentiam excluídos.

“Eu lembro de ter ido em um show do Rashid, e ter recebido alguns olhares tortos, como se o fato de eu ser gay me impedisse de estar ali absorvendo as mensagens passadas. E quando estou presente em shows da Karol conka, eu não sinto isso. Ela não abriu porta nenhuma no rap, ela criou uma porta, e as pessoas entraram e ainda entram por ela, Karol teve que criar um segundo gênero dentro do próprio RAP”, explica João.

Shows que eram comuns apenas em periferias, com o passar dos anos, se tornaram também frequentes em lugares considerados de elite, como foi o caso do RIO2C Festival. O evento aconteceu em um lugar nobre na cidade, e com ingressos caros, se tornaram inacessíveis para o público das áreas menos favorecidas do Rio de Janeiro.

E com exclusividade, você pode assistir ao primeiro episódio na íntegra de: “Periferycas – Ocupando espaços”.